O sucesso geralmente vem para aqueles que estão muito ocupados para estarem procurando por ele. - Henry David Thoreau

A ciência das ilusões de ótica

31 de Março de 2014

Olhe atentamente para a foto abaixo. O que na verdade você está vendo é uma obra do artista Johannes Stotter. Apesar de sua natureza extremamente fotográfica, é realmente uma pintura. O que é ainda mais chocante é a tela que ele utiliza. É uma pintura corporal. Conseguiu visualizar a modelo na foto?

O trabalho de Stotter aproveita o fato de que nossos olhos desatentos e nosso cérebro tendem a tirar conclusões precipitadas. O ato de ver algo começa com os feixes de luz que saem de um objeto. Estes feixes entrem no olho através da córnea, que é a parte clara exterior do olho. A córnea, em seguida, dobra ou refrata os feixes de luz que atravessam a parte preta do olho, a pupila. A íris - a parte colorida do olho - contrai ou expande para alterar a quantidade de luz que a atravessa.

Finalmente, os feixes de luz atravessam a lente do olho, o que muda de forma para direcionar a luz para sua retina, o tecido fino na parte de trás do olho que está cheio de células nervosas que detectam a luz. As células da retina, chamada de cones e bastonetes, transformam a luz em sinais elétricos. Isso é enviado através do nervo óptico, onde o cérebro as interpreta.

O processo todo leva cerca de um décimo de segundo, mas é tempo suficiente para deixar o seu cérebro confuso às vezes.

Ao organizar uma série de padrões, imagens e cores estrategicamente, ou brincar com a forma como um objeto é iluminado, o cérebro pode ser enganado e ver algo que não está lá. Como você percebe a proporção também pode ser alterada, dependendo dos objetos conhecidos que estão nas proximidades. Não é mágica - é uma ilusão de ótica.

Por exemplo, quando nos movemos e olhamos para alguma coisa, a imagem torna-se uma linha borrada em nossa visão. Porque nosso cérebro associa essas linhas borradas com movimento, as imagens estáticas que apresentam imprecisão tendem a olhar como eles estão se movendo em grande velocidade.

Há também a ilusão de Ebbinghaus, ou círculos de Titchener, que mexem com a forma como julgamos o tamanho de um objeto. Tudo é relativo. Quando dois círculos que são exatamente do mesmo tamanho são colocados próximos um do outro, mas um círculo é rodeado por círculos maiores e o outro por menores, o círculo rodeado pelas manchas maiores tende a parecer menor do que a sua contraparte.

Tecnicamente, a imagem de Stotter não é uma ilusão de ótica tradicional. Mas utiliza alguns dos mesmos princípios. Usando a pintura, o artista suaviza as linhas fortes do corpo e cria sombras usando cores claras e escuras. Ele também tem uma modelo com o corpo contorcido de modo que sua forma se parece com o esboço de um papagaio. Todos os detalhes que não fazem sentido - por exemplo, sua perna dobrada criando a asa, ou os dedos de sua mão branca que compõe o bico - são encobertos pelo seu cérebro, porque tudo faz sentido.

Se você gostou deste trabalho, confira o seu projeto anterior: um sapo criado a partir de cinco pessoas.

Vale a pena conferir outros trabalhos deste autor também clicando aqui.

Até o próximo post!





Este post ainda não possui comentários. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será exibido.
Receba as Novidades

Para receber as últimas novidades e promoções do site, digite seu e-mail e clique em enviar.

Arquivo do Blog